quarta-feira, 20 de julho de 2011

#Resenha: Carniça


Título: Carniça # Autor: Moisés Liporage # Editora: Escrita Fina
Um esconderijo ultra-seguros, um jovem paranóico, uma linda grávida e um bando de violentos criminosos à espreita. Quem será que vai levar a melhor neste thriller pop e soturno?

Qualquer um vive alerta diante dos muitos riscos que o cotidiano oferece. Só que, no caso de Gilberto dos Anjos, essa atenção beira a patologia. O problema dele é garantir que a morte demore muito a chegar. Por isso, ele construiu um bunker-sarcófago na região serrana do Rio. (...)
A caminho de mais uma dessas temporadas de hibernação, Dos Anjos oferece carona a Estela, uma jovem grávida com um passado misterioso que, literalmente, a persegue com sede de vingança. Ao dar uma de bom samaritano, Gil, este sujeito supersticioso, acaba se arriscando de verdade. Sim, talvez ele tenha finalmente descoberto quando e como vai morrer.


Após ter varias experiência quase-morte, Gilberto dos Anjos se tornou um obcecado em evitá-la e entendê-la. Depois da morte de seu pai e várias perguntas não respondidas, ele resolve construir uma fortaleza na serra do Rio: um banker (uma espécie de forte abaixo do nível do solo), para que assim ele possa se esconder da Encapuzada.

Em uma de suas temporadas no banker, ele dá carona a uma mulher grávida, que havia perdido o ônibus que ia para a cidade vizinha. Estela, na verdade, estava fugindo de seu cafetão “dono”, Waldick, que ao descobrir da gravidez e paixão por um dos clientes, não pensou duas vezes em tentar matá-la, porém foi impedido pela fuga.

Em uma das rodovias o casal sofre um acidente de carro, devido à chuva e ao estouro de um pneu. Sem terem para onde ir, pedem auxílio a um casal que mora em um casão à beira da estrada.

Na manhã seguinte, Gilberto é acordado com um revólver apontado para sua cara. É quando descobre toda a verdade sobre Estela, o bebê e Waldick. Ao ser levado para sala encontra algumas pessoas da família que os ajudaram mortas, e parece que o cafetão bandido, não tem vergonha de matar se for preciso.

Com a morte cheirando sua nuca e o revólver em sua testa, Gil podia jurar que não teria outra chance de se esconder da morte, até que Estela vem ao seu auxilio, mentindo sobre Dos Anjos poder falar com os mortos, e assim poder ajudar Waldick a se comunicar com seu irmão.

Mas será que esse “fake mediúnico” poderia ajudar os dois a fugirem da morte? Só lendo o livro para saber.

Devo dizer que quando a Rô me emprestou fiquei super empolgada, por que a capa é o máximo, mas aí eu coloquei na estante e lá ficou bom um bom tempo. Foi quando eu fui cobrada por ela e com muita vergonha comecei a ler, e não agüentei. Li tudo em um dia só. Na verdade, li tudo hoje.

O livro é super legal. O Moisés tem um jeito fácil de nos fazer imaginar a cena que se passa no livro, o que cada personagem faz, como faz e todo o cenário.

Primeiramente eu me senti num filme de comédia, depois um terror trash e quando eu menos esperei veio uma perseguição digna de um filme de ação.

Eu super recomendo livro.

5 comentários:

  1. Parece ser legal, eu ando procurando livros com mais suspense ou de terror sabe?
    Ótima resenha,
    beijos :*

    ResponderExcluir
  2. obaaaaa
    eu não te pressionei u.u você que tava perdendo uma oportunidade de ler um livro ótimo, como você disse aí! :)
    me deu até vontade de ler! uihuiauhuiahiuha

    beeeijo

    http://artbooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. ps.: o negócio do comentário ainda tá pedindo as letras.

    ResponderExcluir